Como entender a polaridade e aumentar a qualidade do seu relacionamento?

Written by on 2 de novembro de 2018

Visando a brevidade, classificamos as mulheres como representantes da energia feminina e os homens como representantes da energia masculina. Entretanto reconhecemos e aceitamos que gênero e energia são completamente independentes, assim como o feminino pode ter uma essência masculina e o masculino pode ter uma essência feminina.

Edward chega em casa depois de um dia difícil no trabalho. Ele grita e berra para sua esposa, Jill, sobre os problemas que ele tem com seus colegas de trabalho e com o patrão. Jill ouve, e até se envolve, compartilhando opiniões em comum do quanto aquilo deve ser frustrante. Edward acaba, por fim, saindo de sua rotina e alcança o nível de Jill.

Jill chega em casa depois de um dia difícil no trabalho. Ela grita e berra para Edward. Contudo, Edward tem a forte tendência de resolver os problemas dela. Ele interfere nas críticas dela, interpondo suas ideias sobre como ela pode resolver seus problemas. Ela fica cada vez mais chateada. Ela grita, dizendo que ele não a “entende”.

O que está acontecendo em cada situação? Na primeira situação, a energia feminina está alta e a energia masculina está baixa. Mas o casal é capaz de restaurar esse desequilíbrio facilmente. Entretanto, na segunda situação, a energia masculina está alta e a energia feminina está baixa. Por que? Quais dinâmicas estão em jogo? E que tipo de mudança vai permitir que Jill e Edward se conectem um com o outro?

Aqui está o segredo. O jogo da vida em um relacionamento consiste em dominar dois pontos: seu estado e sua intenção. Se conseguir dominar os dois, é um jogo diferente. Vai mudar tudo. E tudo começa ao dominar o poder do D – ou seja, o desabafo.

ENTENDENDO AS DIFERENTES ESSÊNCIAS

Os homens masculinos e as mulheres femininas são praticamente espécies diferentes.

O poder feminino possui algo que nenhum homem muito masculino jamais entenderá. Ou seja, as mulheres vivenciam tudo ao mesmo tempo. O motivo disso é porque o cérebro feminino possui o que é chamado de “consciência difusa” – um traço instintivo e biológico incutido nas mulheres, assim elas podem estar completamente conscientes de tudo à volta. Como Tony Robbins explica durante sua palestra Encontro com o Destino, começou com uma questão de sobrevivência e se desenvolveu em uma necessidade profunda para as mulheres falarem, compartilharem e revelarem o que sentem. E isso se manifesta de várias formas.

Até algo tão trivial quanto falar ao telefone é um meio de satisfazer esse instinto. Na verdade, mulheres femininas podem conversar por horas e depois nem se lembrar dos detalhes. Porque não se trata do assunto, consiste em conectar-se e compartilhar.

O desabafo é uma continuação, aumentado pela emoção reprimida. Quando uma mulher desabafa, ela está liberando energia. Ela está compartilhando seu problema porque deseja ter conexão. Ela quer que seu homem a sinta. Ela quer que seu homem demonstre que ele a entende ao compartilhar suas emoções.

A energia masculina, por outro lado, não quer compartilhar problemas, quer resolvê-los. Então um homem muito masculino vai pensar: “O que há de errado com voce? Por que continua falando desse problema? Por que simplesmente não age para resolvê-lo?” Porque os homens pensam que existe um problema no desabafo da mulher.

O SIGNIFICADO QUE ATRIBUÍMOS

O homem masculino simplesmente não estará inclinado de forma natural para a tendência emocional da mulher quando ela está desabafando. Mas quando o homem não faz isso, a mulher sente-se rejeitada. Ela se sente só e o vê como um arrogante e insensível. Ela dirá a si mesma: “Ele acha que é melhor do que eu. Ele não se importa comigo.” Pois isso tudo seria verdade com a energia feminina, mas não é verdade em um mundo masculino.

Por outro lado, quando a tentativa de solução de um homem esbarra com a frustração da mulher, ele tende a atribuir significados ruins. Ele pode pensar que sua mulher simplesmente não está a ouvindo, ou que não vai deixá-lo resolver o problema. Ele pode pensar que a mulher não acredita que ele possa resolver o problema, ou ele pode classificá-la como um ser infeliz. E, por fim, o homem dirá a si mesmo: “Nada do que eu faço vai funcionar. Jamais consigo fazê-la feliz. Nada a fará feliz.” Mas quando o homem começa a criar essas histórias, o relacionamento está em risco. E é quando não haverá nenhum progresso – e se um relacionamento não está crescendo, está morrendo.

A realidade é, o que está entristecendo (ou até irritando) você não é o que seu parceiro está fazendo, é o significado que você está dando a isso – e isso não é verdade. Pensamos que os homens são como as mulheres e que as mulheres são como os homens. Embora intelectualmente saibamos mais, quando nossos parceiras fazem algo, interpretamos em nosso mundo.

O CAMINHO A SEGUIR

Uma consciência difusa quer dizer que a mulher está sentindo tudo ao mesmo tempo. Para o homem masculino, não existe essa tal coisa como multitarefa genuína. Mesmo quando um homem pense que é uma pessoa multitarefa, ele está só de fato fazendo um pouquinho disso e daquilo, movendo-se para frente e para trás, fazendo uma coisa de cada vez. Este é o cérebro masculino – foco puro. Mas a mulher tem o poder de focar em tudo simultaneamente. É por isso que um homem pode achar que desvendou o problema, mas então outros doze problemas emergem, porque ele nem sequer percebeu todas as coisas que ela está pensando.

Seja o que for que apareça, uma mulher não quer que um homem resolva seus problemas. Porque o que ela quer, na verdade, fazer no mundo feminino é curar. E isso não significa necessariamente resolver, mas que ela quer ser ouvida e se sentir compreendida – é o que traz a cura.

Se um homem puder aprender a ouvir, pode aprender apreciá-la e entender a forma que o cérebro dela trabalha, e isso se transformará na ferramenta mais poderosa em um relacionamento.

Cometi muitas vezes meus erros com minha esposa. E aprendi e melhorei. Eu posso agora olhar para tudo o que está acontecendo, e em vez de tentar resolver os problemas, somente dou a ela minha companhia. Eu fico aqui, enquanto ela derrama tudo em cima de mim. E não levo nada para o lado pessoal. Mesmo quando ela diz: “Você fez isso, você fez aquilo.” Lembro-me o que ela está dizendo não é o que ela quer expressar. Não se trata de mim. Ela está extravasando a energia reprimida e criando espaço. Ela só está desabafando e colocando tudo para fora. É realmente maravilhoso se uma mulher se sente compreendida e aceita; logo após, você poder dar uma solução e ela será recebida de uma forma completamente diferente. Ela se sentirá aliviada e terá espaço para apreciá-lo”. – Tonny Robbins

Você pode vencer. Mas isso vai exigir ter a coragem de entrar no desconhecido. Vai exigir que você se desprenda da estória que criou sobre sua parceira. Vai exigir que dê um passo para trás e acesse a situação por inteiro. E vai exigir que dê sua presença e compaixão, mesmo quando se sentir retratado de modo injusto. É assim que se domina seu estado e o significado que atribui às experiências e eventos em sua vida. É como você domina o D. E é como se torna ainda mais conectado do que nunca à sua parceira.

 

Texto Team Tony Adaptado por Wilson Monteiro ( Intervencionista Estratégico Tony Robbins)



Comments

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *